13/01/08

Mulheres que lêem são perigosas

Um querido amigo - um querido amigo? - sim, um queridíssimo amigo, oferereceu-me, pelo aniversário, um livro com o título deste post. Na página 147 encontra-se esta fotografia de Marilyn a ler Ulisses. O texto que acompanha a fotografia de Eve Arnold, reza assim:

«A pergunta é quase inevitável: "Ela leu ou não leu?" Marilyn Monroe, a sex symbol loura do século XX leu o Ulisses, de James Joyce, um ícone novecentista da cultura intelectual e o livro que é para muitos o maior romance moderno, ou estava apenas a fingir?
Porque, como atestam outras imagens da mesma sessão fotográfica, é o Ulisses que Marilyn a ler aqui.
Richard Brown, um professor de literatura, quis tirar o caso a limpo. Trinta anos depois da sessão fotográfica, escreveu à fotógrafa, que devia saber a resposta. Eve Arnold respondeu que Marilyn já estava a ler o Ulisses quando se encontraram. Marilyn tinha afirmado que lhe agradava o estilo do livro; que o leria em voz alta para o compreender melhor, mas que era difícil. Antes da sessão, Marilyn estava a ler o Ulisses enquanto Arnold preparava a película. E Foi assim que ela foi fotografada. Não precisamos alimentar a fantasia do professor e imaginar que Marilyn continuou a ler Ulisses, se matriculou numa faculdade e abandonou a sua vida de estrela de cinema para aprofundar os seus conhecumentos acerca de Joyce e que, já como professora reformada, recordou os dias fascinantes da sua juventude. Mas podemos seguir os conselhos do professor e ler o Ulisses como Marilyn fez: não de seguida, do princípio ao fim, mas episodicamente, abrindo o livro em páginas diferentes e lendo pequenos trechos. Talvez chamássemos a este modo desorganizado de ler o "método Marilyn". Seja como for, o professor Brown recomenda-o aos seus alunos.»

5 comentários:

Funes, o memorioso disse...

Nunca ninguém leu o Ulisses.
Suspeito que nunca ninguém perdeu nada pelo facto.
O Ulisses não é literatura. É uma experiência para a história da literatura.

Claudia Sousa Dias disse...

Tenho pena que o chauvinismo hollywoodesco tenha formatado Marilyn para ser apenas e só um sex-symbol.

Estrou convencida de que ela teria potencial para muito mais do isso.,..

Também não consegui ler Ulisses...
Só isso prova o valor e a capacidade intelectual de uma mulher que é vista somente como um objecto de desejo sexual...


CSD

Dalaila disse...

Mulheres que trabalham muito não escrevem no no tecto.

beijos e saudades

Claudia Sousa Dias disse...

tenho estado tão pouco perigosa, ultimamente...

não tenho lido quase nada! demorei 1 mês a ler o orgulho e preconceito da Jane Austen!!!

para mim é o recorde da lentidão...


devo estar a perder qualidades...

CSD

Claudia Sousa Dias disse...

Ai, que saudades querida Maria, que saudades!


CSD